TRADUTOR

terça-feira, 24 de agosto de 2021

A AVENTURA DO IMPERIALISMO NO AFEGANISTÃO FOI UM GOLPE CONTRA A REVOLUÇÃO

A aventura do imperialismo no Afeganistão foi um golpe contra a revolução

O presente documento faz parte da coletânea de textos acerca da Contrarrevolução na URSS que integrarão um livro homônimo que se encontra no prelo. Abaixo, publicamos uma das três partes que compõe a declaração do Comitê de Ligação pela IV Internacional acerca da Contrarrevolução na URSS, da Guerra no Afeganistão e uma polêmica sobre o caráter do Estado Chinês. Uma versão em inglês se encontra no site de nossos camaradas britânicos do Consistent Democrats: LCFI Statement: Soviet-bloc Counterrevolution Still Traumatises Humanity.

O então presidente dos EUA, Ronald Reagan recebe os Mujahideens na Casa Branca

Além do aniversário do colapso soviético, a retirada das tropas dos EUA do Afeganistão levou ao colapso do regime fantoche pró-EUA de Ashraf Ghani no Afeganistão. O Afeganistão está ligado ao colapso contra-revolucionário da URSS. O financiamento maciço dos EUA para uma jihad contra o governo do Partido Democrático Popular do Afeganistão (PDPA), nacionalista de esquerda aliado a Moscou (PDPA), começou no final dos anos 1970, e quando a União Soviética interveio em dezembro de 1979 para impedir a derrubada do PDPA por esses contra-revolucionários, o Afeganistão tornou-se uma causa célebre do anticomunismo. Ronald Reagan e Margaret Thatcher se associaram publicamente aos mujahedin, os "guerreiros sagrados" que receberam armamentos de alta tecnologia como os mísseis Stinger para lutar contra o PDPA e a URSS.
A retirada da URSS do Afeganistão sob Gorbachev foi uma grande capitulação ao imperialismo e anunciou o colapso da própria URSS. No entanto, o regime do PDPA foi um dos últimos estados aliados da URSS a cair; não entrou em colapso até abril de 1992, 6 meses após o colapso da URSS. A difusa coalizão de mujahedin com alguns desertores do PDPA foi posta de lado em 1996 pela jovem, austera e fanática facção Talibã de islâmicos, baseada em campos de "refugiados" no Paquistão, que dominaram politicamente o Afeganistão desde então.

A invasão e ocupação do Afeganistão no final de 2001 sempre foi um espetáculo secundário e uma folha de figueira para a intenção do imperialismo e do sionismo de aproveitar o ataque terrorista que os Estados Unidos receberam de combatentes da Al Qaeda em 11 de setembro de 2001. Os imperialistas sempre estiveram cientes de que além de ser uma expressão de reação extrema com origens pré-capitalistas, medievais e de base social (até certo ponto), os movimentos islâmicos também são capazes de dar expressão à raiva popular contra os crimes imperialistas. Eles são socios difíceis que às vezes mordem seus aliados. Os atentados do 11 de setembro foram chocantes para o imperialismo dos EUA, que, sem dúvida, por meio de suas agências de inteligência, tinha alguma consciência das atividades dos perpetradores, mas não do grau de sua ambição. Mas, independentemente disso, o efeito do 11 de setembro foi o de fortalecer a facção sionista na classe dominante dos EUA, que queria refazer o Oriente Médio no interesse de Israel, inicialmente por meio da invasão e ocupação do Iraque.

O Deputado dos EUA Charlie Wilson, o homem por trás da maior operação secreta da CIA em apoio aos mujahideen. Essa história virou o filme "A guerra de Charlie Wilson", estrelado por Tom Hanks, que no Brasil recebeu o nome de "Jogos do Poder".

Nesse sentido, a ocupação do Afeganistão teve de ser mantida por um período prolongado para mostrar ao público ocidental que algo direto estava sendo confrontar a verdadeira base da Al Qaeda. Mas foi um exercício bipartidário de hipocrisia, pois nunca houve qualquer intenção do Ocidente de minar a base social da contra-revolução que haviam fomentado para destruir o PDPA. Portanto, sempre foi quase inevitável que, quando o Ocidente finalmente reduzisse suas perdas e se retirasse do Afeganistão, isso reverteria para o Taleban.

Os rumores de acordos com o Taleban por Trump ou mesmo Biden são altamente prováveis ​​de serem verdadeiros. As expressões de "choque" de alguns no Ocidente com a retirada de Biden e a vitória do Talibã são apenas um disparate insincero. O mesmo ocorre com as comparações feitas por alguns com a queda de Saigon em 1975.

Embora muitos afegãos desesperados possam muito bem ter acreditado em algum tipo de boas intenções do Ocidente, eles estavam sendo cinicamente enganados e explorados. Muitos agora, tentando desesperadamente escapar, não são equivalentes aos contra-revolucionários que fugiram da revolução vietnamita em 1975, mas vítimas da duplicidade ocidental e, como refugiados, são alvos de populistas de direita e fascistas no Ocidente. Devemos exigir plenos direitos de asilo e assentamento no Ocidente para todos os afegãos que buscam fugir. Sem restrições ou cotas.

Todas essas coisas são simplesmente a lógica de fomentar a contrarrevolução em um país como o Afeganistão. Qual pode ser o papel internacional do Taleban agora que a ocupação dos EUA acabou é uma questão em aberto. Eles se tornarão um estado cliente ocidental e participarão das tentativas ocidentais de sabotar os esforços dos países semicoloniais e ex-estados operários para construir infraestrutura para conter a dependência do imperialismo, como a iniciativa Belt and Road, liderada pelos chineses, na Eurásia? Ou eles serão atraídos para esta esfera de influência? Existem todos os tipos de especulações contraditórias no momento, e é provável que leve um pouco de tempo antes que fique claro de que maneira a situação evolui.